Associação Brasileira de Pesquisadores será apresentada no III Pró-Pesq

A Associação Brasileira de Pesquisadores em Publicidade (ABP2), que surgiu da demanda da área de Publicidade e Propaganda (PP) por um órgão de representação no que se refere ao ensino e à pesquisa, foi legalizada neste mês de fevereiro.


A conquista será celebrada no “III Pró-Pesq – Encontro Nacional de Pesquisadores em Publicidade e Propaganda”, na USP, em 24 e 25 de maio.



A Associação nasceu em 2010 dentro da Escola de Comunicação e Artes (ECA). “A ABP2 mantém a parceria com a USP, onde aconteceram todas as edições do Pró-Pesq. A Associação surgiu a partir dos eventos”, explica o presidente Eneus Trindade Barreto Filho.


Para a coordenadora do GP Publicidade e Propaganda da Intercom, Maria Lília Dias de Castro, a criação foi um importante passo para o fortalecimento da área.


A ABP2 se caracteriza como uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com a finalidade de congregar pesquisadores de Publicidade e Propaganda para desenvolver ações destinadas a melhorar a qualidade e diversificação dos aspectos profissionais, bem como do ensino e da pesquisa da graduação e pós-graduação na área”, explica.


As principais bandeiras da ABP2 são a inclusão da pesquisa sobre os objetos da publicidade, propaganda e consumo como locais privilegiados para entender os fenômenos comunicacionais contemporâneos e a criação do espaço político da representação da área de PP.


São mais de 400 cursos no Brasil e não existia uma entidade que representasse os pesquisadores e professores da área, um núcleo que pensasse o ensino. Tem associação de semiótica, de jornalismo, de folkcomunicação e etc.”, compara Eneus Trindade Barreto Filho.


Para o presidente da ABP2, o fato de a atividade ser regulamentada, ao contrário da profissão, gerou essa situação, pois mesmo sendo PP um dos cursos mais procurados nos vestibulares, qualquer pessoa pode trabalhar na área. 


Quem era o professor há até pouco tempo? Alguém que saía da faculdade e aprendia a dar aula ou alguém com alguma experiência de mercado”, explica.


Essa falta de preocupação com o professor e o pesquisador, com as questões do ensino de Publicidade, Propaganda e Consumo como um todo, geraram a necessidade de uma associação de pessoas que pensem e pesquisem a área, abrindo espaço para a criação da ABP2. 


Fonte: Intercom


Anúncios

GP História do Jornalismo usa blog para estreitar relação entre pesquisadores

A valorização do estudo da Comunicação e do Jornalismo está na raiz da IntercomPor isso, o Grupo de Pesquisa em História do Jornalismo, criado em 2009 com a divisão do núcleo de estudos de jornalismo em áreas de investigação específicas, faz uso de várias ferramentas para a disseminação deste conhecimento. Uma das mais recentes é o blog. 


O espaço História do Jornalismo foi criado em novembro de 2011, levando em conta que o jornalismo, em seus diferentes suportes, tempos e personagens, é abordado com o olhar da história em artigos. 


O canal surgiu como um meio para a discussão destes textos e de outros estudos da área, ampliando possibilidades de trocas entre pesquisadores, estudantes e demais interessados. 


A ideia é que os pesquisadores possam publicar resultados dos seus estudos. O blog está em fase inicial, já tem alguns trechos de trabalhos. Também é um espaço de publicação dos encontros do GP, mas a ideia principal é mesmo a troca de objetos, metodologias, resultados neste campo”, explica a coordenadora do GP História do Jornalismo, Aline Strelow



A ferramenta se mostrou a mais adequada para estreitar as ligações. 
É interessante para se manter em contato durante o ano todo, não apenas no Congresso Nacional, que é um espaço de interlocução tradicional. Claro que tem estudiosos que vão todos os anos ao Congresso, mas o blog também é importante para trocar experiências. Criamos até uma lista de discussão”, afirma a coordenadora. 


Segundo Aline, antes da divisão, história do jornalismo era uma área forte no Núcleo. “Sempre foi uma vertente de bastante expressão, até por isso virou um GP”, comenta. 


Fonte: Portal Intercom 

Prêmio Expocom 2012 inicia primeira fase de inscrições

A partir do dia 1º de março, o Prêmio Expocom destinado aos produtos laboratoriais desenvolvidos por alunos de graduação em Comunicação, começará a receber as inscrições para a edição 2012. 


Na primeira fase, cabe a cada Instituição de Ensino Superior (IES) indicar os trabalhos e os respectivos líderes que participarão do Prêmio. Apenas um trabalho de cada IES pode ser inscrito em cada modalidade. 



Os interessados devem atentar para o calendário de inscrições e para o novo regulamento do prêmio, que estão disponíveis no site. O prêmio também tem novas regras no sistema de júri. 


A partir deste ano, fica extinta nos Congressos Regionais a participação do júri presencial, permanecendo os júris virtual e presencial no Congresso Nacional. 


Diferente dos outros anos, onde 50% da nota era atribuída pelo sistema virtual e 50% pelo presencial, agora, as notas já estarão estabelecidas previamente. 


“As apresentações de trabalho permanecem, pois a ideia do Congresso não é apenas competir, mas disseminar o conhecimento”, explica Márcio Fernandes, um dos coordenadores do Expocom.


Mas, atenção: a não existência do júri presencial não elimina em hipótese alguma a apresentação do trabalho nos Congressos Regionais. Se não for apresentado, o trabalho estará automaticamente eliminado do prêmio.


Segundo Fernandes, a mudança se fez necessária diante de fatores como logística, recursos e tempo. “Algumas pessoas também consideram o processo online mais transparente”, comenta.


Outra mudança é no número de integrantes do júri virtual, que pode ser de 3 a 5 pessoas. Até então, eram apenas 3. “Há um interesse crescente em participar como jurado do Expocom, algumas modalidades têm 20 candidatos. Além disso, abre oportunidade para os mais jovens”, afirma Fernandes. 


O júri virtual do Expocom é formado por mais de 300 pesquisadores de todo o país, que atuam em instituições de diferentes regiões, todos com experiência profissional – além de contarem com pós-graduação na categoria em que trabalham como avaliadores.


Fonte: Intercom

Congressos Regionais da Intercom abrem inscrições

Os Congressos Regionais da Intercom abrem suas inscrições no dia 1º de março. Os eventos, que ocorrem nos meses de maio e junho, discutirão o mesmo tema do Congresso Nacional: “Esportes na idade mídia: diversão, educação, informação”. 


Também em 1º de março, começa o período para as Instituições de Ensino Superior indicarem trabalhos e alunos líderes para o Prêmio Expocom



XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul acontece de 31 de maio a 2 de junho na Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), na cidade de Chapecó (SC), sob a coordenação de Mariângela Alves Storniolo Torrescasana.


XI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Norte acontece de 17 a 19 de maio na Universidade Federal do Tocantins (UFT), em Palmas (TO), sob a coordenação de Liana Vidigal Rocha e Edna de Mello SilvaO evento deve reunir pesquisadores, professores e profissionais do Tocantins, Pará, Amazonas, Rondônia, Acre, Amapá e Roraima.  Já o XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste acontece na Faculdade Boa Viagem, em Recife (PE), de 14 a 16 de junho, sob a coordenação de Janaina de Holanda Costa Calazans.


A expectativa de participação é de 1,5 mil pessoas. Os alunos estão sendo convidados a participar, de forma voluntária, para a organização e realização do congresso. O número de voluntários deve ficar entre 80 e 100.


Por sua vez, o XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste acontece entre 28 a 30 de junho na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em Ouro Preto (MG), sob a coordenação de Nair Prata Moreira Martins.


Para a UFOP, o primeiro contato que se tem com a atividade jornalística e com a área da comunicação contribui muito para a consolidação do futuro profissional.


Assim, a universidade acredita que o congresso da Intercom permitirá que alunos de todo o país apresentem seus trabalhos, obtenham conhecimento e recebam premiações e reconhecimento entre seus pares. 


XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste ocorre entre 7 e 9 de junho sob a coordenação de Daniela Ota, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande (MS).


O maior desafio para a organização local é atrair mais público, totalizando 800 pessoas. Para isso, conta com o apoio de outras universidades que têm curso de Comunicação em Campo Grande e Dourados, segunda maior cidade do Estado e que já sediou o Intercom Centro Oeste.


Fonte: Portal Intercom

Pin ups: conheça o Pinterest

Se algum dia você já guardou recortes de revistas, fez um mural de fotos ou montou um álbum de adesivos ou papéis de carta, você já entendeu a dinâmica do Pinterest.

Parecem atividades primordialmente femininas? São mesmo, tanto que 80% da base de usuários da rede social que já despontou como a promessa de 2012 são mulheres, de acordo com a própria empresa. 

O Pinterest é um mural para fotos online, vários murais, quantos cada pessoa quiser criar: receitas, peças que podem ser feitas em casa, ideias de design, roupas e acessórios, belas paisagens, penteados, fotos de ambientes incrivelmente bem decorados. 

Em uma rede dominada por mulheres, esses são os temas mais recorrentes, que funciona assim: uma vez feito o login e instalado um plugin no navegador, cada vez que o usuário se deparar com uma imagem bonita ou interessante pela internet, basta “piná-la”, ou seja, salvá-la em um de seus murais. Tudo fica lá para consulta posterior. 

O serviço também possui diversos aspectos sociais: todos os murais são obrigatoriamente públicos, pode-se criar quadros colaborativos (bons para planejar um evento em grupo, por exemplo), conta com uma boa integração com Facebook e Twitter e é possível seguir pessoas e assuntos. 

No entanto, seu principal atrativo parece ser o caráter de “arquivo pessoal de inspirações e vontades”, David Pogue, colunista do New York Times, atribui parte do sucesso do site ao fato de ele dar um tempo naquilo que ele considera “as metas usuais das redes sociais: autoabsorção, autodocumentação e autopromoção”. 


Semil Shah, consultor do Vale do Silício, elenca outros fatores para o sucesso do site: ênfase da imagem sobre o texto, visual clean e retrô, fácil usabilidade e, principalmente, o fato do Pinterest ter “aproveitado uma potencial mudança do comportamento de consumidor para um comportamento de compra”. 

Segundo ele, a etapa final do processo de compra está bem servida com serviços como Google Shopping e Amazon, onde o consumidor digita o que ele quer comprar e encontra boas ofertas.

O que ainda está carente é “a parte de cima do funil” que resultará na compra de um produto específico, o momento em que o usuário ainda não sabe ao certo qual produto ele quer, ainda está buscando ideias e novidades.

Shah acredita que o Pinterest pode ajudar o consumidor nesse processo de escolha, pois mistura indicações sociais com imagens inspiradoras.

Para o consultor, o grande trunfo do site virá quando ele direcionar fotos de produtos para sites de e-commerce e conseguir lucrar com isso, monetizar seu banco de imagens.

Segundo Josh Davis, analista de mídias sociais, o Pinterest já está fazendo isso. Em um texto publicado em seu blog pessoal, que ganhou dimensão depois de ser comentado no New York Times, Davis diz que o site modifica os links de algumas imagens que já redirecionavam os usuários para sites de compras para poder ganhar uma comissão sobre a transação comercial.

Sem estratégia de negócios definida, o Pinterest diz apenas que gerar lucro não é prioridade no momento (o site foi criado e ainda é mantido com dinheiro de investidores externos) e que pode incluir publicidade em seu serviço no futuro.

Mas fica claro que o site já entendeu o potencial que tem de aliar o caráter de “mural de inspirações” ao de “catálogo de desejos”. 



Fonte: Estadão

Adobe lança aplicativo do Photoshop para iPad2



O aplicativo de 10 dólares herdou diversos recursos de sua versão para desktop, porém só está disponível para iPad 2. Os donos da segunda versão do tablet da Apple podem aproveitar um dos mais famosos softwares de edição de imagem do mercado com a chegada do Photoshop Touch da Adobe à Apple Store.


Depois de aparecer rapidamente na loja de aplicativos da Apple durante o fim de semana, e ser retirado logo em seguida, de acordo com o site Apple Insider, o aplicativo está oficialmente disponível.


Há recursos conhecidos como camadas, uma seleção de ferramentas, ajustes e filtros, além de um recurso de busca integrada ao Google Imagens, para que o usuário encontre imagens na web mais rapidamente.


Os trabalhos podem ser compartilhados diretamente no Facebook, e seus amigos podem fazer comentários sobre as fotos, que são exibidos no APP.


Outras ferramentas incluem o “câmera fill“, que permite utilizar a câmera do iPad 2 para preencher áreas de uma camada e compatibilidade com o AirPrint, para que as edições possam ser impressas rapidamente, via wireless. 


Outros aplicativos da Adobe voltados para o tablet da Apple são esperados nos próximos meses, comentou Jennifer Kremer, funcionária da empresa. A Adobe espera lançar em breve o Adobe Collage para pranchas de temperamento, Adobe Debut para apresentações trabalhos criativos, o Adobe Ideas para produção de esboços (‘sketchings’), Adobe Kuler para exploração de temas de cor e o Adobe Proto, para criação de protótipos de sites e aplicativos móveis” afirmou. 


Fonte: UOL